Crônica do Amor


Nota da autora: Este escrito é muito antigo. Na época de minhas paixões de adolescência, intitulado como “A carta do sentimento”, era gigantesca e um pouco depressiva. Mas ao final da carta, escrevi coisas mais bonitas do que a primeira parte. Para vocês, deixo este fragmento como Crônica do amor.
Abraços.
*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+*+
Há mil formas de amar, somente uma dela tem a ver com seu jeito de expressar a quem ama. Muitos  acreditam no encontro “causado” pelo “destino”. Para quem espera, um dia nisto, acredita que encontrará e lhe fará feliz.
Somos baseados no amor, ele perdoa, ele cre, é sincero, aceita o que for de você, é humilde, paciente, enriquecedor, entre outros adjetivos, mas está reunido em uma única palavra: AMOR.
Sua força é tão grande que quebra barreiras mais resistentes e duras, escala montanhas mais altas, atravessas rios transbordantes, suporta os dias mais quentes e o frio mais dormente, enfrenta tempestades e furacões  ou qualquer tipo de fenômeno, pois, se realmente existir, nada para ele é páreo.
Algumas pessoas sentem que, quando encontram o seu verdadeiro amor, já se conheciam. Sentem que talvez já tenham conhecido em outras vidas, que esta é uma impressão forte. Têm a impressão forte de esta lhe fará feliz e ficarão juntos até o final dos dias. Outras encontram-se casualmente, que a primeira vista, não se reconhecem muito bem, mas com o tempo, sim, o Senhor Tempo, faz com que, se enamorem. Isto é incrível, lindo, poderoso e mágico!
Difícil escrever cada sentimento, pensamento e sensação quando amamos. Apenas sentimos profundamente.
Muitos dizem que, quem ama demais, dizem amar demais, amam de menos, pois são aqueles que restam dúvidas e insegurança quanto a isso. Talvez não amem de verdade e expressam de forma um tanto exagerada.
Outros dizem que é bobagem amar, mas, afinal, ninguém consegue entender ou sentir o grau do amor de outras pessoas. Somente aquelas que sentem podem dizer. Enfim, amando pouco ou muito já são formas de amar.
E, finalmente, o amor é cego, pois é, não enxergamos, nem percebemos se “este amor é cego” mesmo, se vale a pena ou não. Este simples dito popular significando que o físico, o externo que este amor oferece não seja bem visto para os padrões de beleza da sociedade, mas que pode oferecer o “mais importante é o que vem de dentro”, isto é, primordial,  o interior é que devemos amar  primeiro e o resto é resto.
E então, por que está perdendo seu tempo lendo isso? Por que não vá procurar seu(s) amado(as) e diga o quanto você o(a) ama e que é muito importante para você! Não perca mais tempo não! Ame enquanto é tempo, enquanto tiver amor dentro de si para dar e receber.
E blah, blah, blah… e esta hora meu escrito está solitário, na tela do pc, ou num canto jogado, enquanto os momentos de amor acontecem… e ainda fico escrevendo isso?
Ah… sejam felizes! Isso é o que importa!

Camilla M.
(Escrito dia 23/04/2003, modificado no dia 12/10/2009).

Publicado por

Camila Moreira

Mulher, ama o conhecimento, o saber e a natureza. Formada em química, massoterapia e seu novo encontro com o Sagrado através da aromaterapia. Uma apaixonada pelas terapias alternativas e complementares e bem como pelas "logias" da vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s