Desabafo 28


cf

 Estava eu, aos poucos ela está sumindo, com um nó terrível no peito. Um nó de que coisas estar apegadas e apertadas no meu corpo.
Senti dores tensas na região do pescoço e das costas, como se minha cabeça fosse explodir de tanta tensão.
Tem coisas que sinto que não são minhas, mas que chegam a mim por que estou nesta sintonia, por incrível que pareça.
Graças a Deus fiz uma análise do que realmente estava sentindo e o porquê daquelas dores e nó no peito na garganta.
O que me veio na cabeça foi egoísmo. Sim egoísmo, um pouco de tensão de apegar a algo que vai escapar…
Ultimamente ando sentindo e experimentando coisas que para mim eram paradigmas até então. Estou me reconhecendo como uma nova mulher, com um novo potencial em surgimento. E quebrar paradigmas é sempre muito difícil, principalmente com uma educação familiar que tive.
Graças a fatores e pessoas que aparecem na minha vida, pude experienciar o outro lado da moeda. Fazer coisas que achava “abomináveis” pelo meu lado racional-crítico, que no fundo no fundo, gostaria muito de sentir.
Então, deixei de lado coisas que não eram explicáveis e cabíveis para alguém maduro o suficiente e comecei a encarar a vida como ela é. Diria encarar o mundo como ele é.
Deixei de ter alguns sonhos bobos e tolos, para ter sonhos maiores e de qualidade. Quero parar de pensar tanto no futuro e assumir dia após dia, com os dois pés juntos, viver cada coisa de cada vez, sem medo, sem pressão, sem repreensão.
Quero aprender a confiar em mim, que só assim, vou poder confiar mais nas pessoas (é sou um pouco desconfiada das pessoas, e às vezes, minha mente maquina coisas rapidamente e acabo “achando” pelo em ovo, e na verdade não passou de pura imaginação fértil). Acredito que só poderei viver coisas a mais a partir do momento que eu confiar mais em mim e não colocar caraminholas na cabeça.
Na verdade, é um medo profundo que tenho de ser passada para trás, de ser abandonada e traída, e não passei nada disso em vida, principalmente em quesito relacionamentos amorosos.
Já tive um sonho (que acredito que não foi um sonho, e sim um pedaço do véu do esquecimento que foi mostrado e pude ver o que estava por trás do meu sentimento de vazio ) onde me via com uma outra aparência, num lugar meio chique, um casarão, onde havia um baile de máscaras, todos felizes, menos eu, passei correndo pelo meio das pessoas e fui parar numa sacada que eu podia ver o horizonte e o pôr-do-sol. Abaixei a cabeça com um soluçar triste, pude me ver em um vestido azul, com de luvas e tinha cabelos claros.
Olhava o horizonte contemplando um sentimento de abandono, mas o que me via a cabeça era apenas estas frases: “Aonde vc está? Por que vc não volta?”… e eu sentia uma terrível dor no peito, um aperto, um nó, como se alguém tivesse ido embora, me prometido algo e não foi capaz de voltar, ou fiquei a espera de um amor que não voltou.
Senti-me como numa Canção de Amigo, nos tempos do Trovadorismo, onde a mulher escrevia cartas de um amor que estava longe, distante. Este era meu sentimento naquilo.
Mas sabe lá por Deus os motivos, quero que isso não se repita, porém, o que se repete são os sentimentos. Talvez seja por isso que eu tenha insegurança em confiar em alguém, pelo fato de ter sido abandonada ou enganada por alguém ou algo… vai saber quais foram os motivos da pessoa também ter me abandonado… não sei que personalidade assumi naquilo tudo.
Quando encontro alguém interessante é a mesma coisa, tanto amigos quanto pretendentes, sinto-me um pouco desconfiada das intenções, porém, já troquei os pés pelas mãos por um monte de gente. Principalmente pretendentes, meu Deus, quanta caraminhola já não pus na cabeça!!!
Gostaria e quero mudar muito tudo isso, acho que talvez seja um pouco de egoísmo meu pensar que alguém é de minha posse, ninguém o é e nem mesmo eu sou. Mesmo não estando num compromisso sério, as partes não têm direitos e deveres sobre o outro, por que estão ali para curtir o momento que estão vivendo e apenas isso importa, o presente.
Egoísta eu a pensar que somente uma parte me devesse satisfações, me devesse o direito de ser excluso, mas quem sou eu para imaginar uma coisa dessas? Afinal, nem mesmo eu gosto de satisfações, faço coisas que estão no meu direito, sendo livre e desimpedida. Seria tolice minha acreditar nisso, e aliás, fui um pouco. O porquê dos meus nós são estes fatos.
Tenho que entender que, ninguém é de ninguém, eu não sou de ninguém, tenho minha vida, minha liberdade, não tenho o compromisso com ninguém, e sendo assim, o outro também tem os mesmo direitos. Não devo ficar imaginando o que o outro faz ou deixa de fazer, pois isso não me interessa e que, o mais importante, quando os dois tiverem juntos, isso basta. Live ours lifes only in this…
O quero dizer é que estou apegada a alguém, que mesmo sabendo que as coisas possam não ocorrer de certa forma, que sinto que ambas as partes não estão preparadas, mas se reconhecem, e que, da minha parte, acho ela incrível, bacana, sinto eu mesma e nos divertirmos muito, temos carinho e respeito um para com o outro. Sinto-me bem ao lado dessa pessoa, e o que sinto é que não queria que acabasse assim, poderia ser sempre assim, mas apenas conheço 1/11 da pessoa.
Nem tudo é perfeito mas fico colocando caraminholas na cabeça quando não nos vemos e é isso que acabo me matando. Os “achismos”, o sentimento de “ah, poderia estar agora em tal lugar…”, “deve estar com alguém…”, etc.
Acredito que há coisas maiores e melhores para nós e que, neste momento, o que há de importante são estes poucos momentos que vivemos.
Só queria que neste momento, elevar meu coração para essa pessoa e dizer que sou grata e adoro a companhia dela, que ela me faz muito bem, fico muito feliz em ter conhecido e quando a vejo. Desejo que ela seja muito feliz independente de tudo e que neste momento isso me satisfaz.
Este “indiozinho” está me dando trabalho rs… tem uma alma muito boa, um coração muito bom de aura alegre. Quero que ele seja muito feliz e vou me desapegar destes sentimentos…

Be yourself, be free, live your life … only that.

That´s all for today…

Camila – Acayrã

Anúncios

2 comentários em “Desabafo 28

  1. Oi querida,

    td bem? Respondendo a tua pergunta do post… eu moro na italia, mas sempre que da vou a Portugal… adorooooooooooooo as terras lusas (meu bisavo era de la)
    Beijo

  2. Pouxa fico apavorada o tanto q vc camilet parece comigo=O..
    Vc vai falando e só vai encaixando!!!
    To passada!!!

    Ou seja NADA A DECLARA!!

    PS- mto bom o que disse a karinet..!!
    Alias as palavras de vcs me fazem refletir..me fazem mto em obrigada=D
    beijus!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s